Ahhhh, freelar. Tá aí uma vida perfeita, glamourosa e bacana. Você pode trabalhar da praia, organizar seus horários, fazer reuniões de pijama e viver em completa felicidade.

Se você acha que a vida de freelancer é assim… bem… desculpa decepcionar. Trabalhar por conta não é fácil não, amiga! Rola muito estresse, desespero e vontade de jogar tudo pro alto e voltar para a firma.

Nós conversamos com algumas makers freelas e perguntamos quais são os principais desafios de trabalhar como freelancer. As respostas (juntamente com as soluções) você encontra a seguir:

 

Quais são os desafios de trabalhar como freelancer?

1- Conseguir os primeiros clientes é difícil

Uma coisa é fato: conseguir os primeiros clientes não é fácil. Não ache que o seu trabalho é ruim e não duvide do seu potencial em nenhum momento. A verdade é que as pessoas ainda não te conhecem e por isso conseguir fechar contratos é uma tarefa árdua para quem está no começo.

A solução: aproveite todas as oportunidades possíveis para mostrar o seu trabalho. Participe de eventos do seu segmento, troque cartões, faça trabalhos de graça (ou com um precinho camarada) para criar portfólio, entre com frequência em sites e grupos de Facebook que oferecem trabalhos temporários… ahh, e não esqueça de pedir indicações de trampos para os seus conhecidos!

2- Ahhh, os calotes

Há alguns anos, uma landing page chamada Pague Meu Freela ganhou a mídia nacional. Uma agência grande deixou de pagar o serviço temporário de um carinha, que ficou revoltado (com razão!) e decidiu tomar uma atitude (para entender melhor, clique aqui).

Essa é apenas uma história de freelancer que não recebeu o seu pagamento. A maior parte das pessoas que fazem trabalhos temporários tem alguma história trágica para contar de noites em claro que não foram financeiramente recompensadas.

A solução: SEMPRE assine um contrato antes de começar um trabalho. O cliente pode ser seu amigo, confiável e legal, mas essas características definitivamente não vão impedir que ele deixe de te pagar.

3- A insegurança constante

Trabalhar com carteira assinada traz uma sensação de segurança. Se alguma coisa der errada e você for demitida, o seguro desemprego está te esperando. Se por acaso você ficar doente e precisar pegar licença, vai correr atrás de um atestado. A vida de freelancer não te dá essa segurança. Se você ficar doente… bem… o problema é seu, o prazo precisa ser cumprido.

E não é só isso! A partir do momento que você começa a trabalhar por conta, uma insegurança te persegue. “Será que eu vou ter clientes no mês que vem? Aquele pagamento vai rolar na data certa?”.

A solução: uma dica para você ficar mais confiante é ter uma reserva financeira. Procure economizar uma grana que te mantenha por, pelo menos, uns três meses. Dessa maneira, se alguma coisa acontecer no meio do processo e você não puder trabalhar, vai conseguir manter o seu padrão de vida (ou pelo menos comer e pagar as contas!).

4- Manter as finanças: taí um trabalhão

A não ser que você tenha alguns clientes fixos (o sonho de todo freela), a quantidade de dinheiro que entra na sua conta é meio imprevisível. Em alguns meses muita grana vai pipocar, enquanto em outros nenhum trabalho significativo vai aparecer.

A solução: a dica aqui é a mesma que a anterior. Tenha uma reserva de dinheiro que vai garantir que você viva tranquilamente durante o período sem trabalho.

5- Trabalhar de casa não é glamouroso…

Trabalhar de casa uma vez ou outra é divertido, mas depois de um mês essa rotina cansa. Você vai ver que a cadeira da sua casa te dá dor nas costas, que a sua cama vai te chamar (e você precisa resistir!) e que em algum momento a sua vida será meio solitária.

A solução: os espaços de coworking são uma excelente alternativa para quem está freelando. Eles garantem networking (ideal para quem deseja novos clientes), te ajudam a criar uma rotina e oferecem a estrutura de um escritório. Ahhhh, eles também não permitem que você trabalhe de pijama 😉

Se você preferir trabalhar de casa mesmo assim, a dica é investir numa estrutura mínima para ter um home office confortável.

6- …Fazer os seus horários também não

“Fazer o próprio o horário” parece a parte mais gostosa de trabalhar por conta, né?! O que ninguém te conta é que isso pode ser difícil pra caramba. Você não vai ter um chefe querido te dizendo para descansar e focar no trampo apenas no dia seguinte. Você não pode processar ninguém por ter ficado trabalhando por 16 horas seguidas para conseguir entregar o job no prazo.

A verdade é que chega uma hora que você vai misturar completamente os horários de lazer com os de trabalho, e quando se der conta vai estar tomando banho no meio da tarde de terça-feira e concentradíssima num trabalho difícil enquanto todos os seus amigos estão curtindo o feriado na praia.

A solução: seja organizada com a sua agenda. Procure delimitar quais são os seus horários de trabalho e quais são os de diversão. Nos finais de semana e feriados, procure se desligar do e-mail e do Whatsapp (a verdade é que, se você permitir, os clientes vão continuar pedindo coisas, independente do dia ou horário. Os limites devem ser impostos por você!).

Apesar de todas essas dificuldades que nós apresentamos, precisamos te contar que ser freelancer também tem o seu lado muito bom. Se você deseja embarcar nessa jornada, saiba que ela não tem volta: uma vez que você provar dessa vida, vai se apaixonar (mesmo com todas as dificuldades) e nunca mais vai querer voltar para um emprego tradicional. 😉

Comentários

Comentários