Hoje, 24 de maio, é o Dia Nacional do Café! Para comemorar a data da minha bebida favorita, resolvi entrevistar uma grande amiga que entende tudo do assunto, a Maria Mion.

A Maria é uma maker de carteirinha e uma das pessoas que me ajudou no processo de tirar a Make Mag do papel! Ela é ela é artista visual, pós-graduada pela Belas Artes, grava uns filmes em Super8, é anfitriã do CreativeMornings em Curitiba e, acima de tudo, é uma mega entusiasta dos cafés especiais.

Essa paixão, inclusive, virou negócio! Juntamente com o Carlos Bauer, seu sócio que é designer, Maria lançou a “Café é uma doidera, bixo“, que une a bebida à arte e ao design.

maria mion2

Confira a seguir a entrevista com barista e educadora Maria Mion:

1- Quem era a Maria Mion antes de se apaixonar por cafés?

Uma pessoa que gostava mais de chás do que café. Quando tomava café era em grandes quantidades para me manter acordada e socializar, bem quente que era para não sentir o gosto amargo do café ruim. Café era o meu cigarrinho.

cafe é uma doidera bixo2- Como que você começou a se envolver com cafés?

Me apaixonei perdidamente quando descobri o universo dos cafés de qualidade, os chamados “especiais”. Descobri que existiam opções que não eram amargas, mas sim naturalmente doces lá no Rause. Quando você experimenta um café de qualidade é um caminho sem volta! Comecei a estudar e provar diferentes tipos da bebida, extraídos em diferentes métodos. Acabei diminuindo o meu consumo, mas melhorando a qualidade. Durante dois anos, fiquei flertando com esse universo, apenas como consumidora. Mas, em 2016, resolvi me aventurar e competir em um campeonato de barismo. Foi quando conheci o recém-inaugurado Supernova Coffee Roasters e a convite do Luiz (fundador) fui treinar pro campeonato lá. Ficava o dia todo no café com o Diego (sócio) ajudando no que podia (lavando muita louça), pois o movimento de lá já era grande, e os treinos aconteciam antes da loja abrir ou quando ela fechava. Enfim, passado o campeonato, fui convidada a ser sócia do negócio, onde fiquei por dois anos. Passei por outros campeonatos, cursos, fazendas, feiras de café nacionais e internacionais, colheitas, etc. Foi um período muito intenso de aprendizado.

Maria Mion ministrando um curso em Brasília

Maria Mion ministrando um curso em Brasília

3- De onde surgiu a ideia da marca “Café é uma doidera, bixo”?

Acho que a “Café é uma doidera, bixo” surgiu de dois desejos, meus e do Carlos. Estávamos nesse universo, mas sentíamos falta de uma marca que tivesse uma linguagem própria com um apelo estético, artístico, uma coisa mais loucona mesmo. A outra vontade era de colocar ideias no mundo de forma muito experimental e aí começamos a criar estampas para camisetas e paninhos. Também vimos a oportunidade de fazer pequenas tiragens de café de produtores que admiramos muito, o que ajuda a valorizar todo o trabalho dessa cadeia de produção. É muito massa ver as pessoas se engajando com as nossas ideias e isso nos incentiva a pirar em outras coisas.

enquadramento siteEstou muito focada na difusão do conhecimento do café especial para as duas principais pontas dessa cadeia: produtor e consumidor. É importante formar mais consumidores de café de qualidade, afinal são eles que sustentam toda cadeia, mas também é necessário dialogar com os pequenos produtores, mostrando como o café é preparado e consumido. O conhecimento empodera e faz o trabalho e a condição de toda a cadeia melhorar a cada dia. Ministro cursos no Brasil inteiro, agora estou organizando uma viagem para levar consumidores e baristas para uma fazenda no Sul de Minas. A ideia é que essas pessoas experienciem a origem de tudo: a colheita do café, os processos pós-colheita, etc. O objetivo é ver a complexidade envolvida em produzir café de qualidade. No roteiro também está incluso cursos e oficinas. Além disso, organizo um campeonato anual chamado “Campeonato Mundial Sabiá de Cupping” que premia os barulhos e assovios feitos durante a prova de café com a colher.

Apenas que busquem conhecimento. Frequentem as cafeterias de café especial, conversem com baristas, experimentem grãos diferentes em toda e qualquer oportunidade, estejam abertas. Sigam perfis de cafeterias, baristas, produtores e produtoras no insta (o meu também @mariamion), aprendemos muito vendo a rotina dessa galera! E façam meus cursos 😉 hahahahahaha

Maria com o produtor de cafés especiais Augusto  Borges

Maria com o produtor de cafés especiais Augusto Borges

6- Qual foi o momento mais marcante que você teve desde que começou a se envolver com café?

A primeira ida a uma fazenda de café, conhecer a origem e flagrar o tremendo trabalho que dá pra produzir esses grãozinhos, minha deusa! Passei um dia todo entre pés de cafés e montanhas com Augusto Borges, ouvindo esse produtor superjovem falando das alegrias e dificuldades na produção de grãos especiais, foi muito impactante. Foi o dia em que percebi que era para o café que eu dedicaria o resto da vida. Toda vez que falo desse dia fico muito emocionada.

7- Por fim, conta pra gente: cafézinho vai bem com o quê?

Com pessoas <3

Comentários

Comentários