No início de uma carreira como empreendedora, o que mais existe é ansiedade para ver as coisas funcionando e correria para que você consiga colocar tudo nos eixos. Mas isso não é desculpa para ficar desatenta e deixar de lado as decisões financeiras da empresa.

Para que tudo corra bem, é preciso levar em consideração alguns pontos importantes, principalmente se você trabalhar sozinha ou tiver uma equipe pequena, sem alguém totalmente especializado em finanças. Confira essa lista de erros financeiros que você não pode cometer no seu empreendimento.

Erros financeiros que você não pode cometer

Birthday GIF - Find & Share on GIPHY

Misturar contas pessoais e contas da empresa

Às vezes, dá vontade de pagar a conta da internet do escritório com o seu próprio cartão, pela praticidade, rapidez ou para não deixar o boleto atrasar. A atitude pode até parecer mais fácil, mas acaba causando um furo no seu orçamento pessoal e deixa a prestação de contas da empresa totalmente bagunçada.

Por isso, separe sempre os gastos e cobranças pessoais do que estiver relacionado à empresa. O primeiro passo é colocar o nome jurídico em boletos e na conta que você utiliza para realizar transações com fornecedores ou clientes. Assim, você reforça seu profissionalismo e não corre riscos com as cobranças.

Pegar todo o dinheiro que entra na empresa para você

Mesmo que você trabalhe sozinha e não precise pensar em custos como salário de funcionários ou aluguel do espaço, é importante ter disciplina e calcular o seu pró-labore. Ao definir o valor que vai receber com os lucros, você deixa de gastar o dinheiro que entra na conta da empresa com coisas pessoais. Lembre-se que, em tempos de crise, o dinheiro do seu negócio é que vai sustentá-lo – por isso, não dá para gastar tudo o que você recebe com as vendas e freelas de uma só vez.

Gastar mais do que pode

Quem trabalha por conta própria não pode contar com a certeza de um salário fixo ao final do mês. Por mais que você se dedique e mantenha um número constante de clientes, existem períodos em que a empresa precisa arcar com gastos não planejados ou que as vendas não saem como esperado.

Então, nada de abusar do cartão de crédito antes de receber o dinheiro – tanto em compras pessoais quanto em compras feitas para a empresa. Ao gastar sem fazer os devidos cálculos, você corre o risco de não ter capital suficiente para pagar as contas quando precisar, o que cria uma bola de neve de juros e outros problemas financeiros.

Não dar a devida importância ao fluxo de caixa

Além do Plano de Negócios, estabelecer um fluxo de caixa é um passo fundamental para manter a saúde financeira da sua empresa. Controlar os valores que entram e saem da sua conta, com base em planilhas bem organizadas, ajuda a fazer previsões de gastos, saber o que precisa ser pago e entender o que os números dizem. Assim, você poderá perceber erros com antecedência, rever o seu planejamento e evitar problemas mais sérios com o orçamento.

Confiar completamente nos clientes

É claro que você não precisa bancar a cética, desconfiando de tudo e todos. Mas não dá para confiar cegamente no cliente e deixar que as atitudes dele influenciem negativamente as finanças da empresa.

Quando você depende da entrada de recursos para produzir objetos, finalizar serviços ou movimentar o negócio, é preciso considerar a inadimplência (ainda que esta não seja intencional). Se um cliente atrasa um boleto ou deixa as contas acumularem antes de pagar, o seu fluxo de caixa pode ser prejudicado – o que também acaba afetando as vendas e a produção da empresa. Por isso, tenha sempre um valor destinado a cobrir esses atrasos, estabeleça um prazo de pagamento e saiba cobrar seus consumidores, quando necessário.

Fazer tudo manualmente (ou sozinha!)

Um software de ERP (Enterprise Resource Planning ou, em português, Planejamento dos Recursos da Empresa) consegue organizar os números e a rotina financeira de forma produtiva e otimizada, evitando a maioria dos erros. Aposte nessas ferramentas para não esquecer datas ou valores e integrar cada informação do seu negócio.

E, além de contar com o apoio da tecnologia, lembre-se de tirar dúvidas e pedir as orientações de um contador ou especialista em gestão, para entender direitinho o que está acontecendo com o empreendimento.

Não ter metas

A falta de objetivos em um negócio faz com que você perca oportunidades de crescer, por não saber ao certo como agir em relação ao seu empreendimento. E não estamos falando apenas de onde você quer estar com a empresa daqui a alguns anos: as metas financeiras (que envolvem a margem de lucro, investimentos futuros ou novas contratações) são fundamentais.

Ao estabelecer o ponto que você quer chegar, a empresa consegue se movimentar no mercado e você passa a ter uma perspectiva do que pode gastar, do que precisa vender e como deve organizar o seu fluxo de caixa para atingir as metas.

Não separar um tempo para se dedicar às questões financeiras

“Mas eu não tenho tempo!” é uma das frases mais comuns entre os empreendedores. A gente sabe que montar o próprio negócio demanda muita energia e que você prefere se concentrar nos projetos que vão dar visibilidade à marca.

Mas, mesmo com a correria do dia a dia, tire um tempinho para observar como o dinheiro está sendo movimentado dentro da empresa, quais são as perspectivas financeiras e organize cada etapa desse processo. Dedicar-se à essa área é importante para que nenhuma conta se acumule e você não perca tempo resolvendo problemas no futuro.

A parte financeira de uma empresa pode ser cansativa. Mas ter essa atenção com o dinheiro da sua empresa garante que outros processos funcionem corretamente, para que os negócios – e você – possam crescer.

Comentários

Comentários